5 de mai de 2013


Desconheço a autoria da imagem.



Duvido desse "meio sem querer". Talvez a gente "não queira" por comodismo e medo de mudança, mas o Universo conspira, mexe os pauzinhos e nos coloca de frente para o abismo - nos forçando a tomar uma atitude - ou no meio de um vendaval que, no momento, até parece destruição, mas é empurrão... oportunidade de transformação, evolução e crescimento.
E então, de repente, a gente vê que mudou, que passou a enxergar as coisas e as pessoas de uma outra forma, de um novo ângulo, de um jeito que nunca tinha visto. E você sente: alguma coisa aconteceu...
O que aconteceu foi que percebi que quando a gente pauta nossas atitudes, mede as palavras, passa a vida pisando em ovos, fazendo um esforço danado pra agradar os outros, pra não magoar, pra  ser querido, pra não arranhar as relações, fazendo de conta que não entendeu e etc... todos (os outros!) ficam felizes, mas a gente deixa de ser a gente mesma. E aí, no meio da tempestade, num estalo, aquela luz divina vem e você se dá conta que passou a vida toda se encolhendo e os outros se espalharam... invadiram seu espaço e não enxergaram mais você.
A boazinha, a que tudo aceita, a que esqueceu das suas vontades, a que deixou que se apoderassem do  espaço dela, acordou! Chocou? Pois é... essa sou eu! Essa que você nunca viu, nunca enxergou, nunca respeitou, não deu valor.
Passado o susto inicial, se gostar, me dê a mão e venha comigo percorrer as delícias da vida. Continuo legal. Mas se você não gostar dessa que agora exige respeito, coloca limites, discorda e pensa diferente de você...  tchau!







Nenhum comentário:

Postar um comentário